Estudo sobre o livro de Eclesiastes

019 – Eclesiastes – Não tá fácil pra ninguém

Publicado em Introdução ao Antigo Testamento no dia 21 de setembro de 2012

Eclesiastes

Introdução ao Livro de Eclesiastes – Não tá fácil pra ninguém

O livro de Eclesiastes, tal como Jó, recusa-se a dar respostas fáceis às questões difíceis da vida. Tal é o pessimismo em suas páginas que muitos estudiosos questionam a ortodoxia do autor e até mesmo a canonicidade do livro.

O nome Eclesiastes vem da tradução para o grego do nome hebraico que consta no primeiro verso do livro: קֹהֶ֣לֶת (qōheleṯ). O nome qōheleṯ vem da raiz da palavra qahal que significa “aquele que convoca uma assembleia” provavelmente com o intuito de pregar para ela, daí algumas traduções deste livro para “O Pregador”.

A autoria é tradicionalmente atribuída a Salomão em virtude dos dois primeiros versos do livro, mas desde a Reforma, alguns estudiosos protestantes datam Eclesiastes a uma época posterior a Salomão. Além disso, o termo “filho de Davi” pode indicar qualquer descendente do rei Davi e não necessariamente Salomão. Outro aspecto que depõe contra a autora salomônica é a utilização de um pseudônimo, e, a afirmação em 1:16 e 2:9 de que ele ultrapassou todos os reis que governaram Jerusalém antes dele não faria muito sentido se Davi fosse o único antecessor.

A autoria salomônica não é totalmente descartável, entretanto os argumentos contrários são suficientes para termos cautela ao quanto ao autor de Eclesiastes. O uso de qōheleṯ na terceira pessoa pode sugerir que o autor anônimo se refira a Salomão. E, neste caso, sendo qōheleṯ Salomão o autor do livro poderia ter vivido em uma época posterior.

Para Eclesiastes a sabedoria convencional era inadequada à realidade, pois esta tentava predizer um futuro infalível como resultado exclusivo da conduta, seja dos sábios seja dos tolos. A justiça retributiva era o maior expoente desta corrente de pensamento.

Estrutura de Eclesiastes

O livro de Eclesiastes está estruturado da seguinte maneira:

  • Introdução – 1:1-11
  • Problemas e soluções da satisfação – 1:12 a 3:15
    • Problema: a satisfação não pode ser encontrada – 1:12 a 2:23
    • Solução: a satisfação não pode ser procurada – 2:24 a 3:15
  • Problemas e soluções da frustração – 3:16 a 7:29
    • Problema: Frustrações são inevitáveis – 3:16 a 6:12
    • Solução: Frustrações não podem ser evitadas – 7:1-29
  • Diretrizes para um projeto de vida – 8:1 a 12:8
    • Viver sob a autoridade, mas não esperar que o governo resolva todos os seus problemas – 8:1-9
    • Viver pelo principio da retribuição, mas não esperar seus resultados nessa vida – 8:10-14
    • Não querer todas as respostas – 8:15-17
    • Este mundo só oferece a morte – 9:1-6
    • Desfrutar a vida que Deus ofereceu – 9:7-10
    • Esperar o inesperado – 9:11-12
    • A sabedoria é melhor do que a força – 9:13 a 10:20
    • Ter prudência sem ficar inerte – 11:1-6
    • Não esperar a velhice para saber acerca da visão de vida correta – 12:1-8
  • Questões finais – 12:9-14

O objetivo da literatura de sabedoria é orientar a forma de pensar e não o que pensar. Por isso sua estrutura e organização não seguem os padrões dos escritos filosóficos do ocidente.

Na introdução o autor apresenta o problema e sugere que nada debaixo do sol dá sentido à existência. Deus está distante e não influencia. Após apresentar algumas origens de satisfação ele as rejeita apontando outro panorama. No trecho de 2:28 a 3:15 o Pregador diz que não há motivos para se adotar uma visão pessimista, pois pode-se aproveitar a vida como uma dádiva de Deus.

No parágrafo de 3:1-8 Eclesiastes mostra, por meio de antíteses, que o homem não possui o controle das etapas da vida, e a segurança da vida só pode ser firmada em Deus. O texto de 3:16 a 7:29 aborda a facilidade da aplicação da sabedoria em uma vida sossegada, mas como agir quando surgem as adversidades? Neste trecho o Pregador utiliza exemplos comuns que todas as pessoas enfrentam. A abordagem é diferente da do livro de Jó, pois dificilmente conhece-se alguém que sofreu tanto quanto ele. A conclusão é que não é possível evitar as dificuldades e problemas da vida.

O capítulo 7 explica que quando a visão de mundo está fundamentada em Deus é possível aceitar tanto a prosperidade quanto a adversidade procedentes de Deus. O Pregador não está preocupado com a causa, neste caso Deus, mas com o caráter adaptativo que a adversidade gera nos indivíduos cuja cosmovisão está em Deus.

Na última parte o autor sugere um plano de vida abordando, nos capítulos 8 e 9, as expectativas de vida ajustadas para a cosmovisão centralizada em Deus. O capítulo 10 evidencia os resultados de uma atitude insensata. O capítulo 11 destaca a cautela que o indivíduo deve ter na vida e ressalta a responsabilidade que cada um tem sobre suas ações. O capítulo 12, por meio de alegorias e metáforas estimula o leitor à ação imediata.

 

Propósito e conteúdo

O livro de Eclesiastes aborda os seguintes assuntos:

  • Não devemos esperar nenhuma satisfação na vida.
  • Todas as etapas da vida devem ser aceitas.
  • A vida é repleta de frustrações.
  • Só é possível aproveitar a vida tomando como ponto de partida a Deus.

O argumento do livro é mostrar que não existe nada que possa trazer sentido à vida, pois a morte ao final é certa. Os problemas serão inevitáveis e não haverá respostas simples que satisfaçam os mistérios da vida.

A vida deve estar fundamentada em Deus, pois os prazeres são passageiros, embora possam ser aproveitados como dons divinos. A vida não segue um roteiro preestabelecido de acordo com a justiça retributiva, isto é, todos experimentarão bons e maus momentos. As fatalidades, embora desagradáveis, podem ajudar a progredir a fé. Apesar do aparente pessimismo do livro, sua conclusão ressalta a atitude positiva do qōheleṯ ao estabelecer a vida em Deus

 

O principio da retribuição: quarta parte

Os principais trechos de Eclesiastes que tratam sobre o princípio da retribuição são 3:16-22 e 8:10-14. A ideia aqui é aceitar este princípio na teoria, mas ter a consciência de que ele não pode fornecer uma receita infalível de sucesso nem pode explicar a situação atual de uma pessoa, seja para o bem, seja para o mal.

No livro, o  qōheleṯ não teve uma resposta definitiva sobre o destino dos justos e injustos nesta vida, e podemos aplicar o princípio da revelação progressiva. Deus recompensa os justos e pune os injustos definitivamente na eternidade, o que prova que  o princípio da retribuição é verdadeiro, mas não pode ser plenamente aplicado nesta vida.

 

Prazeres e devoção

O princípio de Eclesiastes é mostrar que “debaixo do sol” não há satisfação, mas fala sobre aproveitar a vida e temer a Deus. Entretanto, esta abordagem não sugere que tudo seja abandonado para correr atrás do prazer. E mais, a procura pela satisfação não envolve necessariamente a satisfação pessoal, mas conceber que todas as coisas procedem de Deus.

Clique aqui para baixar este post em PDF.

Deixe seu comentário:

20 respostas para “36 – Ageu – Mãos à obra!”

  1. Arthur Barros disse:

    Milho, você pretende concluir a análise dos livros do antigo testamento, aqui, no seu próprio site? Abração.

  2. Arthur Barros disse:

    Milho, você pretende concluir a análise dos livros do antigo testamento, aqui, no seu próprio site? Abração.

  3. Arthur Barros disse:

    Milho, você pretende concluir a análise dos livros do antigo testamento, aqui, no seu próprio site? Abração.

  4. Arthur Barros disse:

    Milho, você pretende concluir a análise dos livros do antigo testamento, aqui, no seu próprio site? Abração.

  5. Arthur Barros disse:

    Milho, você pretende concluir a análise dos livros do antigo testamento, aqui, no seu próprio site? Abração.

  6. Sim, Arthur. Os estudos já estão prontos, e vou postando aos poucos. É que estou meio atarefado com alguns trabalhos da facu. Mas vou colocando assim que tiver um tempo.

    Valeu pela audiência!

  7. Sim, Arthur. Os estudos já estão prontos, e vou postando aos poucos. É que estou meio atarefado com alguns trabalhos da facu. Mas vou colocando assim que tiver um tempo.

    Valeu pela audiência!

  8. Sim, Arthur. Os estudos já estão prontos, e vou postando aos poucos. É que estou meio atarefado com alguns trabalhos da facu. Mas vou colocando assim que tiver um tempo.

    Valeu pela audiência!

  9. Sim, Arthur. Os estudos já estão prontos, e vou postando aos poucos. É que estou meio atarefado com alguns trabalhos da facu. Mas vou colocando assim que tiver um tempo.

    Valeu pela audiência!

  10. Sim, Arthur. Os estudos já estão prontos, e vou postando aos poucos. É que estou meio atarefado com alguns trabalhos da facu. Mas vou colocando assim que tiver um tempo.

    Valeu pela audiência!

  11. e muito rico esses estudos,tenho aprendido muito, e tem me enriquecido.Deus vos abençoe.

  12. e muito rico esses estudos,tenho aprendido muito, e tem me enriquecido.Deus vos abençoe.

  13. e muito rico esses estudos,tenho aprendido muito, e tem me enriquecido.Deus vos abençoe.

  14. e muito rico esses estudos,tenho aprendido muito, e tem me enriquecido.Deus vos abençoe.

  15. e muito rico esses estudos,tenho aprendido muito, e tem me enriquecido.Deus vos abençoe.

  16. Maressa Braga disse:

    Fiquei com uma dúvida: relendo Esdras 1-6, eu entendi que muitas pessoas voltaram para reconstruir o templo por permissão do rei Ciro. Passados 7 meses de adaptação, começaram a reconstruir. O problema foi o veto do rei Artaxerxes, com essa ordem o povo parou a construção e isso levou ao desânimo (medo de represália caso desobedecessem ao rei Artaxerses). Aí que Deus levantou Ageu, para chamar a atenção de volta para o templo, pois eles estavam ha mais de 8 anos naquele lugar com as obras paradas. Inicialmente o povo se animou pela liderança política de Zorobabel e espiritual de Josué, mas depois eles se desanimaram porque estavam desobedecendo a ordem de Artaxertes (mesmo que esse não estivesse mais no poder) e isso poderia acarretar a ira do império Persa. Tanto que em Ag 2:4-5 Deus os exorta a serem corajosos porque Ele estava com eles – isso pra mim evocou esse pensamento que o povo não desanimou porque não lembravam dos tempos de glória dos antepassados ou pela seca descrita em Joel e sim porque estavam com medo de desobedecer a ordem do Artaxerxes e serem atacados pelo então rei Dario. Que tal?

  17. Na verdade a terra ficara fora do controle hebreu durante muito tempo, então outros pegaram o controle do lugar, que era muito ambicionado pois era passagem entre o norte, Babilônia e o Sul Egito.

    Quando os reis persas dão permissão de reconstruírem tudo galera que já estava lá tinha certeza de que perderiam a boquinha comercial-financeira que tinham até então.

    Por isso, num determinado momento, eles tem que reconstruir os muros com uma mão e com a outra segurar uma espada caso alguém tentasse atacá-los.

    Naquela época a coisa também girava em torno de poder, influência e dinheiro.

  18. Na verdade a terra ficara fora do controle hebreu durante muito tempo, então outros pegaram o controle do lugar, que era muito ambicionado pois era passagem entre o norte, Babilônia e o Sul Egito.

    Quando os reis persas dão permissão de reconstruírem tudo galera que já estava lá tinha certeza de que perderiam a boquinha comercial-financeira que tinham até então.

    Por isso, num determinado momento, eles tem que reconstruir os muros com uma mão e com a outra segurar uma espada caso alguém tentasse atacá-los.

    Naquela época a coisa também girava em torno de poder, influência e dinheiro.

  19. Sua explicação é muito esclarecedora. Obrigada.

  20. gostei desta passagem muito edificante

Deixe uma resposta